quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

F E L I Z N A T A L !!!


DA DIRETORIA DA FESPEM-PB AOS

SERVIDORES MUNICIPAIS DA PARAIBA

São nos pequenos gestos e atitudes do nosso dia-a-dia que devemos proporcionar o mínimo de alegria e compreensão a todos que nos cercam. Que o espírito natalino encha os nossos corações e traga a fé inabalável dos que acreditam em um novo tempo de paz e amor. Que a paz e a compreensão reinem em nossas vidas neste Natal e no Ano Novo que se aproxima. São os votos da Diretoria da Federação dos Trabalhadores Públicos Municipais da Paraíba - FESPEM-PB a todos os servidores municipais da Paraíba.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Municípios da Paraíba receberão R$ 90 milhões de FPM extra em dezembro de 2011. Prefeitos terão dinheiro para pagar 13º

Os 223 municípios paraibanos deverão receber no próximo dia 10 de dezembro, um adicional de quase R$ 90 milhões através do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O montante, referente a 1% (um por cento) sobre a arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto de Renda (IR) de dezembro do ano anterior até novembro do ano corrente, é repassado às prefeituras todo o dia 10 de dezembro, desde o ano de 2007.

Considerada uma das maiores conquistas do movimento municipalista, a transferência deste recurso deve ajudar os gestores de cada município a pagar o 13º salário na folha de pessoal e fechar as contas de 2011. Na Paraíba, o maior repasse será para a capital, que deve receber R$ 11,7 milhões extra do FPM. A cidade de Campina Grande vai ser contemplada com cerca de R$ 3 milhões em recursos.

Durante anos, a Confederação Nacional de Municípios (CNM), por meio do seu presidente Paulo Ziulkoski, reivindicou do governo e do Congresso Nacional uma forma de reajuste no Fundo. Para este ano, a CNM estima que o valor do 1% será de R$ 2,779 bilhões em todo o Brasil. “O repasse deve auxiliar os gestores municipais no planejamento do encerramento do ano e no pagamento do 13.º salário dos servidores públicos municipais”, sugere o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

De acordo com os cálculos da CNM, o 1% do FPM em 2010 foi de R$ 2,229 bilhões, e o valor estimado para este ano é de R$ 2,779 bilhões, o que representa um crescimento de 24,54%. Durante 2011, o FPM obteve um dos melhores desempenhos nos últimos anos, e superou a arrecadação do ano de 2008, que antes dos repasses de 2011 era considerado o melhor período.

O levantamento da CNM foi feito com base nas reestimativas de Receita do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e dos relatórios sobre o comportamento da receita da Secretaria da Receita Federal. A partir destes dados, a CNM indica quanto cada município deve receber com a distribuição do montante.

FEDERAÇÃO – O presidente da Federação dos Trabalhadores Municipais no Serviço Público da Paraíba, Francisco de Assis Pereira disse que, com o repasse para as prefeituras, não há motivos para os gestores alegarem que não possuem recursos para o pagamento do 13º salário dos servidores. Francisco de Assis Pereira pediu a colaboração dos servidores públicos municipais no sentido de denunciar a FESPEM-PB os atos de irresponsabilidades dos prefeitos que não pagarem o 13º de 2011 dos trabalhadores.

Segundo o presidente da federação, a assessoria jurídica da FESPEM-PB já está atenta para acionar os prefeitos que descumprirem a lei. Ele assegurou que, o não pagamento do 13º salário dos servidores municipais pode resultar na perca do mandato do prefeito da referida cidade.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

TCE multa em R$ 930 mil prefeito de Itatuba por irregularidade em despesas

O Tribunal de Contas da Paraíba reprovou, na sessão desta quarta-feira (23), as contas de 2008 e 2009 apresentadas pelo prefeito Renato Lacerda Martins, da cidade de Itatuba, localizada no Agreste paraibano. A multa aplicada é de R$ 936.945,65.

A condenação se deu por conta de irregularidades observadas em 2008, que incluíram lançamento não comprovado de despesas orçamentárias (mais de R$ 741 mil), diferença entre o saldo contábil e o apurado no final do exercício na conta do Fundeb (quase R$ 65 mil) e despesas sem justificativa em favor do Banco Paulista S/A (R$ 42 mil).

Além disso, o TCE ainda constatou que houve despesas não comprovadas com o pagamento de sentenças judiciais, gastos com supostos fornecedores e com a manutenção de atividades policiais sem a necessária prestação de contas. O prefeito de Itatuba respondeu, ainda, pelo não recolhimento de contribuições previdenciárias e por despesas não licitadas, em ambos os exercícios. A decisão se deu conforme proposta do auditor Renato Sérgio Santiago Melo, relator do processo, e o parecer do Ministério Público.

MULUNGU: Justiça cassa mandato de prefeito por abuso de poder político

A Justiça Eleitoral da Paraíba cassou o mandato do prefeito da cidade de Mulungu, que fica no Agreste paraibano, José Leonel de Moura (PSDB). A decisão foi tomada em primeira instância pela juíza Thana Michelle Carneiro, da 46 ª Zona Eleitoral, no último dia 17 e publicada nesta quarta-feira (23) no Diário Oficial da Justiça. O prefeito foi condenado por abuso de poder político nas eleições de 2008.

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) contra José Leonel de Moura foi movida pelo segundo colocado nas eleições Achiles Leal Filho. De acordo com a acusação, o prefeito teria utilizado um programa de rádio da Prefeitura de Mulungu para divulgar seus projetos eleitorais e pedir votos à população. Ele também teria destacado o seu número e destratado o candidato da oposição.

Em sua decisão a juíza cassou os diplomas do prefeito e também do seu vice, Ricardo Bandeira Ferraz, e decretou as suas inelegibilidades. Ela ainda decidiu aplicar uma multa de 10 mil ufirs aos dois. A juíza Thana Michelle determinou também que o segundo colocado nas eleições seja empossado no cargo.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

SECRETÁRIO DE FINANÇAS DA FESPEM/PB RESGATA A CONTA-CORRENTE NA CEF


O secretário de finanças da Fespem/PB, José Bernardo Pires Filho (foto), que assumiu o cargo no dia 27 de outubro em assembléia geral da categoria, já resgatou junto a Caixa Econômica Federal – CEF, a conta-corrente da entidade, encerrada devido a falta de movimentação financeira por parte do ex-secretário Francisco Leite de Lima Neto, afastado pela categoria e respondendo processo criminal (como determinou a assembléia), acusado de se apoderar de forma indevida de valores financeiros da entidade.

O secretário de finanças José Bernardo Pires Filho agora vai agendar uma data para a Prestação de Contas da entidade, quando estará apresentando os balancetes juntamente com a Contabilidade junto a Receita Federal, INSS e FGTS.

Os primeiros levantamentos feitos pelo secretário de finanças e o contador apontam inadiplência com os órgãos citados, bem como a falta de prestação de contas dos últimos 15 meses, não feitas pelo ex-secretário, causando um prejuízo superior a R$ 5 mil com a entidade, uma vez que, o ex-secretário jamais realizou balancetes contáveis.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

CORRUPÇÃO ANUAL NA PARAÍBA É DE R$ 354,7 MILHÕES

Por ocasião do Dia Internacional de Combate à Corrupção, celebrado no último dia 7, o Fórum Paraibano de Combate à Corrupção (Focco) divulgou o relatório de atividades referente a 2010. O documento revela que a corrupção ainda causa grandes estragos na Paraíba, com um prejuizo anual de R$ 354,7 milhões.

O relatório revela que a corrupção no Brasil causa um prejuízo de R$ 41,5 bilhões por ano, ou 1,38% do PIB. No caso da Paraíba, que possui um PIB de 25,7 bilhões e situa-se no Nordeste, região com um dos maiores índices de desvios, conclui-se que a corrupção na Paraíba causa, no mínimo, um prejuízo anual de cerca de R$ 354,7 milhões.

Nos últimos cinco anos, o TCU e o TCE juntos já imputaram débitos e multas na ordem de R$ 110.723.617,84 milhões.

Com esse valor, seria possível incluir no Programa Bolsa Família do governo federal, no decorrer de um ano, mais 135.690,71 famílias ou ainda construir 2.992,53 casas no âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida, também do governo federal.

Levantamento da Controladoria Geral da União (CGU), a partir das fiscalizações por sorteios públicos, aponta que as fraudes e irregularidades em licitações no País atingem cerca de 95% dos municípios fiscalizados.

As principais práticas de corrupção, segundo ele, são licitações viciadas, conluios ocorridos nas licitações, o uso de empresas fantasmas, desvio de recursos que não são aplicados e obras inacabadas. “Constatamos que muito pouco desses recursos desviados conseguem ser recuperados pelos órgãos de controle e pela Justiça”, revelou.

FESPEM-PB tem nova composição em sua Diretoria

O sindicalista José Bernardo Pires Filho foi conduzido ao cargo de secretário de finanças da FESPEM-PB, em Assembléia Geral Extraordinária Administrativa, que ocorreu no último dia 27 de outubro, na sede do Sindsprev (Sindicato dos Previdenciários).

Ele passou a ocupar o cargo antes exercido por Francisco Leite de Lima Neto, que perdeu o mandato durante a própria assembléia, por ter sido acusado de se apoderar de forma indevida de R$ 33.650,00, conforme relatório administrativo do Conselho Fiscal da entidade, que apurou desvio de dinheiro.

A assembléia dos servidores, que contou com representantes dos Sindicatos de Trabalhadores Municipais de João Pessoa, Conde e Rio Tinto, decidiu também dá posse a outros diretores na federação.

Para a Secretaria de Formação Sindical, antes ocupada por José Bernardo Pires Filho, foi empossado Mavionaldo da Rocha Macieira. Devido a renúncia por escrito do secretário Jorge Dornelas Câmara, a assembléia empossou no cargo de secretário o presidente do sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio Tinto, José Antônio Azevedo Melo.

Com as mudanças de cargos, a diretoria da FESPEM-PB está da seguinte forma constituída:

EIS A DIRETORIA

Presidente: Francisco de Assis Pereira
Vice-presidente: Orlando Lopes de Oliveira Filho
Secretário: José Antônio Azevedo Melo
Secretário de Finanças: José Bernardo Pires Filho
Secretário de Política Sindical: Edilson Anacleto David
Secretário de Formação: Mavionaldo da Rocha Macieira
Secretário de Imprensa: Fernando Antônio Correia Brás
Secretário de Saúde e Segurança do Trabalho: Josenilton dos Santos Feitosa
Secretário de Assuntos Jurídicos: Josenilda Ferreira da Silva
Secretário de Política, Gêneros e Etnia: Mariano Vitor da Silva
Secretário de Organização: Elinete Lourenço Rolim

SUPLENTES
1º - Joelma Maria Gonçalves Rolim da Silva
2º - Maurício Chaves de Vasconcelos da Silva

CONSELHO FISCAL
1º - Adailton Lima da Silva
2º - Rejane Maria Macena da Silva
3º - Antônio Fernandes da Silva

SUPLENTES
1º - Evanízio Nunes de Oliveira
2º - Marcos Aurélio do Nascimento
3º - Claudecir Manoel da Silva

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO NOS MUNICÍPIOS DA PARAIBA PARAM ATIVIDADES NO PROXIMO DIA 26

Os trabalhadores em educação no Serviço Público Municipal da Paraíba também vão aderir no próximo dia 26, a 5ª Marcha Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública, que ocorrerá a partir das 9 horas, em frente ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, onde, às 10 horas, todos seguirão até ao Congresso Nacional.


O evento é convocado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e, na Paraíba, a FESPEM-PB está apoiando o movimento e conclamando os sindicatos de trabalhadores municipais filiados a aderirem ao evento, parando suas atividades durante todo o dia e ficar de olho no movimento.

Cartazes, folders, panfletos e outros objetos de divulgação desta grande Marcha estão sendo entregues pela Diretoria da FESPEM-PB aos dirigentes sindicais interessados na 5ª Marcha. Neste dia, em frente ao Congresso Nacional, será feito um ato pela defesa de 10% do PIB e não apenas 7% como consta no Plano Nacional de Educação (PNE), em tramitação no Congresso.


No Estado, a orientação da FESPEM-PB é que todos os trabalhadores do Magistério, nos seus respectivos municípios, cruzem os braços.


Para a FESPEM-PB e a CNTE, não há dúvidas de que o direito à educação depende de mais recursos financeiros e de sua melhor aplicação. A meta de investimento de 10% do PIB visa tirar o atraso no qual a educação pública brasileira se encontra. Atualmente, é notório o quanto os educadores estão desestimulados devido à baixa remuneração e à estrutura precária das escolas.
Pesquisas denunciam que a juventude não se sente atraída pela carreira de educador. O número de formandos nos cursos preparatórios de docentes para os primeiros anos da educação básica - como Pedagogia e Normal Superior – foi reduzido pela metade em quatro anos, segundo os últimos dados do Censo do Ensino Superior, realizado anualmente pelo MEC. De 2005 a 2009, o número de graduados caiu de 103 mil para 52 mil, comprovando o desinteresse dos jovens pela carreira. Motivos para parar não faltam

As muitas paralisações organizadas revelam a dificuldade de interlocução com os governantes para o atendimento das atuais demandas da educação. Somente na rede pública estadual, a CNTE contabiliza doze greves em 2011. Atualmente, a rede estadual do Pará está paralisada.

A longa duração dessas greves chama a atenção. Os professores cearenses voltaram às salas de aula somente após 63 dias e com o compromisso do governo do estado de pagar o piso vinculado à carreira. Em Minas Gerais, os professores permaneceram em greve por 112 dias até conseguirem dar início a um processo de negociação com o governo estadual.

O motivo principal das greves de 2011 é o descumprimento da Lei 11.738/08, que trata do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN). Sancionada há 3 anos pelo presidente Lula, a lei ainda não é cumprida integralmente em nenhum estado e município. “Na maioria dos estados e municípios que dizem cumprir o piso, a norma não é seguida como deveria, pois não estruturaram uma carreira para os profissionais", afirma o presidente da CNTE, Roberto Leão.

Equívoco sobre o valor do piso

A Lei do Piso estabeleceu o valor de R$950,00 para ser pago como vencimento inicial de carreira do professor com formação de nível médio, a partir de 2008. Este valor sofreria reajustes anuais utilizando-se o mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno do Fundeb, referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano. Por isso, a FESPEM-PB e a CNTE calcula que os professores de nível médio deveriam receber em 2011 um salário inicial de R$1.597,87. O Ministério da Educação, porém, estabeleceu a quantia de R$1.187,97.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

CONCURSO GERA POLÊMICA NA CIDADE DE PATOS

O concurso anunciado pelo prefeito de Patos, Nabor Wanderley (PSDB), oferecendo 554 vagas e que inicia o período de inscrições na próxima segunda-feira (17) já é motivo de polêmica na Câmara Municipal, a partir do questionamento do vereador Zé Mota (PMDB) com relação a idoneidade da empresa Acaplan, responsável pela aplicação das provas. “Essa empresa já vem sendo investigada no Rio Grande do Norte”, disse. “Eu acho que ela não tem credibilidade para realizar o concurso em Patos”, completou.

Já o líder do Governo na Câmara Municipal, vereador Almir Mineral (PSDB), relembrou que a oposição teve o mesmo posicionamento no concurso passado. "Eles fizeram a mesma denúncia no outro concurso, mas Patos teve o concurso mais sério da história", disse. "Se a empresa ganhou a licitação é porque ela tem competência", completou.

FESPEM-PB DIVULGA REGIMENTO INTERNO DE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO PRÓXIMO DIA 27

FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES EM SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DO ESTADO DA PARAÍBA – FESPEM/PB

Regimento da Assembléia Geral Extraordinária da Federação dos Trabalhadores em Serviços Públicos Municipais do Estado da Paraíba - FESPEM/PB

I - Da Convocação

Art. 1º - A Assembléia Geral Extraordinária da FESPEM/PB é convocada de acordo com seu Estatuto, com base nos artigos 24;

Parágrafo Único - A Assembléia Geral da FESPEM/PB será realizada no dia 27 de Outubro de 2011, no Auditório do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado da Paraíba (Sindsprev-PB), situado na Rua Sabino Coelho, 62, Centro, na cidade de João Pessoa;

Art. 2º - Participarão da Assembléia Geral Extraordinária com direito a voz e voto, os Delegados eleitos nas Assembléias dos sindicatos filiados, a Diretória Executiva e os titulares do Conselho Fiscal da FESPEM/PB, de acordo com o que determina o Estatuto da federação;

II - Do Comunicado

Art. 3º - O sindicato de servidores municipais para participar da Assembléia Geral Extraordinária da FESPEM/PB deve estar cadastrado no CNES-MTE e com a mensalidade da CUT referente ao mês de setembro em dia.
Parágrafo primeiro - Os sindicatos aptos a participarem da Assembléia Geral Extraordinária do dia 27 de outubro de 2011 são, respectivamente:

a) SINFUMC
b) SINSERPMURT
c) SINSERMAM
d) SINFUMU
e) SINSEJA
f) SINTRAJOR
g) Itapororoca
h) SINTRAM
i) Sindsconde

Parágrafo segundo - Critérios de acordo com o estatuto da entidade, a proporcionalidade para a assembléia geral é de 150 sócios para 2 delegados e acima de 150 ate 1050 a proporcionalidade será de 150 para (1) equivalente a sete delegados, acima deste numero será de 200 para (1), considerando o (7)

Parágrafo terceiro - A Executiva e o Conselho Fiscal serão delegados natos.

III - Da Organização

Art. 4º - Os sindicatos relacionados acima devem comunicar à Comissão Organizadora da Assembléia Geral Extraordinária, na sede da FESPEM/PB, na av. Gouveia Nóbrega, 32 Roger ou através do e-mail – fespempb@ig.com.br, enviando a Ata e a lista de presença ate a data de 22/10/2011;

Art. 5º - A Assembléia Geral Extraordinária da FESPEM/PB estar sendo solicitada a pedido do Conselho Fiscal devido se tratar de prestação de contas e suposto desvio de recursos da entidade;

Art. 6º - A Comissão Organizadora da Assembléia Geral Extraordinária da FESPEM-PB é a Presidência e o Conselho Fiscal;

Art. 7º - A Assembléia Geral Extraordinária foi convocada pelo Presidente da FESPEM-PB e a maioria dos Diretores da Executiva em comum acordo com o Estatuto, sendo publicada através de Edital em jornal de circulação no Estado da Paraíba.

João Pessoa - Paraíba, 05 de outubro de 2011.

Presidente da FESPM/PB e o Conselho Fiscal.

CURRAL VELHO: Tribunal de Contas reprova contas e manda prefeito devolver R$ 328 mil

O Tribunal de Contas da Paraíba emitiu parecer contrário à aprovação das contas de 2009 do prefeito de Curral Velho, Luiz Alves Barbosa (foto), a quem imputou o débito de R$ 328 mil por despesas irregulares com obras municipais e saldo financeiro declarado, mas inexistente, neste caso, da ordem de R$ 7,9 mil.

A decisão, contra a qual ainda cabe recurso, deu-se conforme voto do relator do processo, conselheiro Fábio Nogueira, e o parecer do Ministério Público ratificado, na ocasião, pelo procurador geral Marcílio Toscano Franca Filho.Tiveram suas contas aprovadas pelo TCE, na manhã desta quinta-feira (13), os prefeitos de Assunção (Luiz Waldvogel de Oliveira Santos, exercício de 2007), Sobrado (Célia Maria de Oliveira Melo, 2009) e Emas (Fernanda Maria Marinho de Medeiros, 2010). Também, as Câmaras Municipais de Pombal, Santa Cruz, Sousa, Nova Palmeira, Natuba, Catingueira (todas do exercício de 2010) e Santa Helena (contas de 2009).

As contas de 2006 da Secretaria da Educação e Cultura do Estado tiveram o julgamento adiado e as da Secretaria de Saúde (exercício de 2008) foram retiradas de pauta a pedido do relator Flávio Sátiro. A ausência do advogado de defesa Johnson Abrantes, em viagem para tratamento de saúde, também levou o conselheiro Flávio Sátiro a pedir o adiamento dos exames das contas oriundas das Prefeituras de Catolé do Rocha (2008), Lagoa, Sousa e Lastro (2009).

Pela mesma razão, o relator Umberto Porto também pediu o adiamento das contas de 2008 da Prefeitura de Pitimbu.O TCE ainda aprovou contas anuais do Fundo de Desenvolvimento do Estado (2009), do Instituto de Desenvolvimento Estadual e Municipal (2009 e 2010) e do Fundo de Recuperação dos Presidiários (2010).
Presidida pelo conselheiro Fernando Catão, a sessão plenária do TCE teve, ainda, as participações dos conselheiros Arnóbio Viana e Nominando Diniz e dos auditores Renato Sérgio Santiago Melo, Antonio Cláudio Silva Santos e Marcos Costa.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

CONSELHO FISCAL DA FESPEM-PB CONCLUI RELATÓRIO CONTRA SECRETÁRIO DE FINANÇAS

Já está em poder da Diretoria Executiva da FESPEM-PB o Relatório Conclusivo que apurou um desfalque de mais de R$ 30 mil nos cofres do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de João Pessoa. Este recurso, de acordo com o Conselho Fiscal teria sido utilizado de forma indevida pelo secretário de Finanças da Federação, Francisco Leite de Lima Neto. O Relatório está recheado de recibos onde constam assinaturas do secretário de finanças.Conforme o que foi apurado, Francisco Leite de Lima Neto recebera dinheiro do Sintram para desenvolver um serviço no ramo dos municipais, recursos esses que seriram ressarcidos pela CUT-PB para a Federação e, posteriormente, devolvidos ao Sintram-JP. Conforme o que se apurou, o secretário de finanças da Federação não chegou a depositar os valores financeiros na conta-corrente da FESPEM-PB, o que teria sido um dos motivos para o cancelamento da conta-corrente pela Caixa Econômica Federal.
O Relatório Conclusivo do Conselho Fiscal sugere a perda do mandato do secretário de finanças, bem como uma possível ação na Justiça para que Francisco Leite de Lima Neto seja punido com base no Código de Processo Penal e Código de Processo Civil. Todos esses assuntos serão discutidos e analisados no próximo dia 27, em Assembléia Geral do ramo dos municipais com os delegados de base dos 10 sindicatos legalmente constituídos com Registros no Ministério do Trabalho. A assembléia geral ocorrerá no auditório do Sindsprev, na avenida Sabino Coelho, no centro de João Pessoa.